GMV põe a sua tecnologia na plataforma tecnológica de dados biométricos de eTRANSAFE

GMV criou a plataforma tecnológica de dados biomédicos no âmbito de eTRANSAFE, que tornará possível melhorar o desenvolvimento de novos medicamentos
  •  O objectivo do Projecto consiste em melhorar a segurança da avaliação no processo de desenvolvimento de novos medicamentos por intercâmbio de dados herdados
  • A GMV está a desenvolver uma avançada estrutura de integração de dados sob padrões abertos

GMV criou a plataforma tecnológica de dados biomédicos no âmbito de eTRANSAFE, que tornará possível melhorar o desenvolvimento de novos medicamentos, conseguindo que sejam mais seguros para os pacientes. O projecto, que teve início em Setembro de 2017 e decorre até Agosto de 2022, está a ser financiado por fundos europeus (20 milhões de euros) e pela Federação Europeia de Empresas e Associações Farmacêuticas, atingindo um orçamento total de quase 40 milhões de euros.

 A avaliação da segurança dos medicamentos é um processo de conhecimento intensivo, que requer avanços em métodos e ferramentas para gerir os dados e facilitar a sua partilha, extracção, análise e modelação preditiva. Esta necessidade requer a integração de informações de diferentes fontes (tanto públicas como proprietárias) que contenham conhecimentos biomédicos sobre dados (clínicos ou pré-clínicos, provas de estudos, etc.).

Até agora, as empresas farmacêuticas não partilhavam as informações relevantes que tinham sobre a toxicidade de milhares de compostos extraídos em ensaios com animais. A maioria destes dados permaneceu em silos privados, sem possibilidade de partilha. Como explicam os líderes do projecto, «um dos objectivos do eTRANSAFE consiste em realizar testes mais eficientes para a avaliação da segurança dos medicamentos, substituindo parte dos estudos em animais por tecnologia de análise retrospectiva baseada nas provas acumuladas pela indústria farmacêutica».

Adrián Rodrigo, Business Solutions for Smart Health da GMV, salienta que «o projecto está a trabalhar na organização e partilha, aplicando técnicas de gestão de dados, todas as informações disponíveis das empresas farmacêuticas para gerar um volume suficiente de dados biomédicos que podem beneficiar de grandes tecnologias de dados e métodos computacionais capazes de tirar conclusões a partir de toda as informações que de outra forma não poderiam ser processadas». Neste sentido, «trata-se de permitir a combinação de dados para análise conjunta, aplicando todas as medidas para preservar a sua confidencialidade dentro de uma plataforma segura». 

GMV criou a plataforma tecnológica de dados biomédicos no âmbito de eTRANSAFE, que tornará possível melhorar o desenvolvimento de novos medicamentos

O projecto desenvolverá ferramentas in silico para extracção de dados, visualização e previsão da toxicidade potencial, com especial atenção à avaliação da previsibilidade pré-clínica ao estudo prático e à descoberta de biomarcadores de segurança.

No âmbito do projecto, foi desenvolvida uma estratégia e arquitectura tecnológica de ponta para o intercâmbio de dados pré-clínicos e clínicos das várias fontes, bem como para a sua integração e exploração. A estrutura será gerida por um «Knowledge Hub» (eTRANSAFE-Hub), uma plataforma de informações online que centralizará o acesso a todas estas fontes e bases de dados toxicológicas e ecotoxicológicas. A GMV contribuirá para o desenvolvimento desta plataforma e actuará como responsável técnico do sistema, ficando a seu cuidado a definição e coordenação do aspecto do produto final, quais as características que estarão em cada versão, bem como a documentação e entrega das características priorizadas aos utilizadores finais.

Benefícios na investigação farmacêutica

eTRANSAFE desenvolve uma infra-estrutura de dados integrativa e métodos e ferramentas informáticas inovadoras que visam melhorar drasticamente a viabilidade e fiabilidade da avaliação de segurança translacional durante o processo de desenvolvimento de fármacos. Esta infra-estrutura será apoiada pelo desenvolvimento de normas abertas e políticas sólidas amplamente aceites pelas partes interessadas, incluindo agências reguladoras e organizações internacionais.

O benefício directo do projecto consiste em tornar os ensaios mais eficientes, reduzir os tempos de investigação e alcançar melhores resultados de toxicidade. Parte do projecto compara estudos pré-clínicos com estudos clínicos, a fim de analisar até que ponto os estudos pré-clínicos são bons para prever o que acontece no ser humano. Tudo isto, para prever que a utilização de células ou modelos computacionais pode prever melhor o que irá acontecer no corpo humano. O projecto gerará, portanto, um impacto significativo no modo de realizar os estudos pré-clínicos e de como a indústria os concebe.

O projecto tem uma participação público-privada que inclui 8 instituições académicas, 6 PMEs e 12 empresas farmacêuticas. Os coordenadores industriais são as empresas farmacêuticas Novartis e Bayer AG. A GMV, por seu lado, está encarregada de desenvolver uma infra-estrutura avançada de integração de dados, aplicando normas e políticas abertas amplamente aceites pelas partes envolvidas, incluindo agências reguladoras e organizações internacionais.