Arranca o projeto europeu de mobilidade sustentável Urban Air

No dia 3 de Outubro teve lugar a primeira reunião no âmbito da Urban Air, projeto europeu enquadrado no programa Interreg Espanha-Portugal (POCTEP), que tem como objetivo a implementação de um inovador sistema de gestão da mobilidade por meio de bicicletas destinadas a membros da comunidade universitária nas cidades de Valladolid e Covilhã, medindo por sua vez a qualidade do ar nas ruas.

O encontro foi presidido pelo Vice-Reitor do Património de Infra-estruturas da Universidade de Valladolid (UVA) e, para além da GMV, reuniu os restantes sócios do projeto: A Fundação CARTIF, o Ente Regional de la Energía de Castilla y León (EREN), a Universidade de Valladolid, ENFORCE (Engenharia de Energia) e a Agência Regional de Energia e Ambiente do Centro (da Universidade da Beira Interior).

Coordenada pela Universidade de Valladolid, a Urban Air tem como objetivo aplicar à mobilidade urbana alternativas inovadoras que sejam viáveis e capazes de demonstrar que as universidades podem converter-se num exemplo para o desenvolvimento de propostas de mobilidade sustentável nas cidades em que estão presentes. Para isso, o projeto contempla dois casos de utilização, um na Universidade de Valladolid e outro na Universidade da Beira Interior.

Valladolid I

No caso da Universidade de Valladolid colocar-se-á em marcha um sistema otimizado de gestão da mobilidade 4.0 por meio de bicicletas, o qual integrará um inovador sistema de empréstimo gerido, através de uma aplicação no telemóvel do utilizador e onde será mostrado um plano da situação das bicicletas e quais as que estarão disponíveis para ser emprestadas. Além disso, terá integrado um sistema de sensores que obterá informações dos principais contaminantes gasosos da cidade, o que ajudará a criar, a baixo custo, uma rede de sensores que indicará a qualidade do ar e as melhores vias a seguir pelos ciclistas.

No caso da Universidade da Beira Interior, na cidade portuguesa da Covilhã, estabelecer-se-á um sistema de empréstimo de bicicletas eléctricas que aposta num sistema de recarga fotovoltaica com o objetivo de fomentar a mobilidade sustentável numa cidade com uma orografia complexa para a mobilidade em bicicleta convencional.

No contexto do projecto, com um orçamento de 1,5 M€ e uma duração aproximada de 48 meses, a GMV é responsável pela integração do equipamento embarcado a instalar nas bicicletas com os sensores atmosféricos, assim como pelo desenvolvimento da plataforma de gestão e das aplicações móveis para a reserva, localização e uso partilhado desses veículos.