Equipando os sistemas de defesa do futuro

Visores de capacete, dispositivos de comunicação por rádio, sistemas de realidade aumentada ou câmaras de visão noturna, são alguns dos desenvolvimentos tecnológicos que fazem parte do equipamento do soldado. Os avanços nestes sistemas trouxeram melhorias substanciais ao desempenho do soldado graças à redução da carga física e também cognitiva e térmica.

A Agência Europeia de Defesa, fiel ao seu propósito de apoiar os 27 Estados-Membros da União Europeia na segurança e na defesa, leva a cabo iniciativas e programas centrados na melhoria das capacidades de defesa europeias. Dentro destes Sistemas do Soldado, a AED lançou em 2015 a primeira fase de um programa de padronização que se centrou no aspeto energético deste equipamento.

Sob a denominação STASS II (STandard Architecture for Soldier Systems), desenvolve-se a segunda fase que arrancou em 2016 e completa esta arquitectura do ponto de vista da gestão de dados e da infra-estrutura necessária.

Trata-se de um projeto financiado pela própria Agência Europeia de Defesa, cujo principal objetivo consistiu na conceção e implementação de uma arquitetura genérica aberta e de referência, que facilite a interoperabilidade dos sistemas de soldado desenvolvidos pelos Estados-Membros.

A GMV liderou este projeto desenvolvendo parte da arquitectura num consórcio de 4 empresas formado -- para além da GMV -- pela Rheinmetall Electronics (Alemanha), Larimart (Leonardo, Itália) e TNO (Holanda).

Cumpre destacar o Industrial Workshop presidido pela GMV, em Bruxelas, juntamente com o Project Officer da AED. Nele se debateu sobre a situação atual do desenvolvimento da arquitetura e sobre os desafios a enfrentar sob o ponto de vista da indústria.

STASS I

Membros do consórcio na GMV, Tres Cantos (Madrid). Da esquerda para a direita: Marcel van der Lee (TNO), Fabrizio Parmeggiani (Larimart), Dr. Norbert Haerle (Rheinmetall Electronics), Mario Sonka (Rheinmetall Electronics), Jose Luis Delgado Gamella (GMV), Vicente Javier de Ayala (GMV).