Reunião do grupo de peritos de medições magnéticas da missão SWARM

A SWARM é uma missão da Agência Espacial Europeia, concebida especificamente para detectar os sinais magnéticos emitidos pelo núcleo, pelo manto, pela crosta, pelos oceanos, pela ionosfera e pela magnetoesfera do nosso planeta. Esses sinais ajudarão os cientistas a compreender melhor os complexos mecanismos que regulam o campo magnético que protege a Terra.

Lançada com êxito em 2013, a constelação SWARM tem ainda algumas questões em aberto, relacionadas com o processamento de dados e com o rendimento dos instrumentos que são de grande importância científica.

swarm I

A GMV teve um papel muito importante na missão SWARM desde o início, tendo participado nos estudos de definição da missão, no desenvolvimento de um simulador para conhecer as prestações do sistema, nas tarefas de concepção, desenvolvimento, fabrico, integração, testes e instalação do receptor GPS a bordo da missão, assim como no desenvolvimento de processadores operacionais para processar os dados dos instrumentos dos três satélites e produzir os produtos de nível 1b, nível 2 e de tempo quase real.

Por contrato com o ESOC, a GMV também foi responsável pelo desenvolvimento do centro de controlo que permite receber e processar a telemetria dos satélites e dos seus instrumentos, gerando os comandos necessários para a correcta operação da missão e também do desenvolvimento do sistema de controlo de órbita, que permite determinar a posição e atitude dos satélites e gerar manobras de correcção orbital necessárias para o correcto funcionamento da missão.

A partir dos seus escritórios na Polónia, a GMV é responsável pela implementação dos processadores L1 e L2 da SWARM, participando também no controlo de qualidade dos dados da SWARM.

Durante uma reunião de dois dias que se realizou em meados de Março nas instalações da GMV em Varsóvia, debateram-se algumas destas questões que estão por se resolver relativamente à constelação, assim como os melhoramentos implementados recentemente em torno do processamento de dados. Na reunião participaram científicos, responsáveis da ESA pela gestão da missão e parceiros industriais da missão que participam na produção e operação dos instrumentos.