GMV alerta para a evolução dos ataques a Infra-estruturas Críticas

GMV alerta para a evolução dos ataques a Infra-estruturas Críticas

José Maria Legido Riba, Director da Região Nordeste da GMV Secure e-Solutions, colaborou com o jornal "Diari di Tarragona" para informar a sociedade sobre os contínuos ciberataques que sofrem as nossas infra-estruturas críticas e sobre a gravidade do assunto. É um tema de especial interesse e que afecta o contexto da nossa sociedade.

Concretamente, a Espanha é considerada o terceiro país do mundo com mais agressões cibernéticas aos seus serviços essenciais, sendo apenas antecedida pelos EUA e pelo Reino Unido. No Estado espanhol, o sector que concentra a maioria dos ataques (mais da metade do total), é o das instalações energéticas, seguido pelas infra-estruturas de turismo. Para fazer frente ao aumento de tais ciberataques, organismos como a Comissão Europeia estão a implementar programas de Cibersegurança como o projecto SUAC3I (Secure User Authentication in Control Center for Critical Infraestructures) que foi desenvolvido por um consórcio integrado pela URV, Eutelsat e liderado pela GMV.

Como resultado da sua grande experiência no sector da Cibersegurança, José María Legido foi encarregado de liderar o projecto em que participaram 12 profissionais e que já conta com um protótipo concluído. No artigo de "Diari de Tarragona" quis destacar como nas organizações não há tanta preocupação com o que fazem os operadores dentro da infra-estrutura, lembrando que com as redes interligadas se pode entrar remotamente num centro de controlo. Também destaca o perigo real de um grupo terrorista tomar o controlo de uma central nuclear ou de algum empregado despedido sabotar a sua antiga empresa pelo roubo de algum acesso e pela exigência de um resgate.

Por fim, Legido acrescenta que o futuro em direcção à Internet das Coisas e à Indústria 4.0 gerará dispositivos de todo o tipo, ligados e vulneráveis a ataques que não podemos imaginar. Em suma, trata-se de "novos riscos que necessitarão de novas medidas".

Artigo completo: Diari de Tarragona – José María Legido Riba